O Novo de Novo

“Bendito quem inventou
O belo truque do calendário,
Pois o bom da segunda-feira,
Do dia 1º do mês e de cada ano novo,
É que nos dão a impressão
De que a vida não continua,
Mas apenas recomeça…” (Mario Quintana)

Nossa existência física é feita de uma secessão de ciclos, uns pequenos, outros maiores, mas eternos recomeços.

Quem consegue ter consciência e aceitação de seus próprios ciclos, obtém mais sucesso em tudo aquilo que se propõe a realizar.

Assim como as plantas, os animais, os minerais e os planetas no sistema solar, nós vivemos a vida através de ciclos, é assim que sentimos que a vida está vivendo em nós.

Aceitar isso talvez seja mais difícil do que conscientizar-se.

Aceitar os ciclos significa entender que você não possui o controle sobre o que acontece com você. Você possui a responsabilidade, mas não o controle.

Os ciclos nos ensinam a respeitar o próprio tempo e não mais se opor a ele.

Quando um ciclo se inicia devemos estar abertos e preparados para encarar o novo, o desconhecido. Superar os medos e desejar o melhor que este ciclo possa nos trazer.

Se assim você deseja, assim será feito!

Quando um ciclo termina, o desapego talvez seja o grande desafio. Aceitar o fim e deixar que as coisas passem é atitude de sabedoria.

Cada ciclo nos ensina uma lição diferente e para “passar de ano” é preciso passar de ciclo, obedecendo à ordem natural que a vida propõe a você.

Existe uma inteligência maior que comanda a ordem no caos, que sabe exatamente para onde estamos caminhando.

Nossa pequena consciência terrena nos dá a inteligência e a intuição suficientes para enxergar os próprios ciclos e vivencia-los com alegria e seguir aprendendo com o novo, sempre o novo!

Eternamente sempre haverá o novo para cada um de nós!