2017 – Ano de Saturno – Segundo semestre

Onde está a sua crise?

Talvez mais difícil do que terminar um ciclo seja começar o seguinte, e quando o seguinte ainda se trata de um ciclo regido por Saturno as coisas parecem ficar mais complicadas ainda, certo?
Talvez… Mas talvez seja uma questão de ponto de vista. Que tal olharmos as coisas sob o ponto de vista de Saturno?
Venha comigo…
2017 nos convidou, ou melhor, nos convocou para abandonarmos de vez a zona de conforto, sem uma previsão de quando poderemos voltar a ela. E claro, isso quer dizer uma série de crises pela frente, umas maiores, outras nem tanto. Mas o fato é que permanecer no mesmo lugar foi praticamente impossível para cada um de nós.
Tem gente que mudou tudo, tem gente que mudou apenas algumas coisas e tem muita gente que se viu mudado à força, meio sem entender o que de fato estava acontecendo, sentindo-se no meio de algum furacão. Bom, cada um tem o Saturno que merece e também o que acredita.
O fato é que para a grande maioria das pessoas ele é um planeta perverso, que castiga, que limita, que cobra, que força a tomada de decisões, nem sempre no momento em que a pessoa pensa ser oportuno. Bom, ele não está nem um pouco preocupado em ser oportuno, mas dá pra chegar a um “bom acordo”, digamos assim.
Saturno quer que você assuma o seu lugar no mundo, sem medos, sem receios, sem reclamações, sem mimimi. A questão é saber se você quer o seu lugar no mundo, ou se você é daqueles que espera que uma série de coisas aconteçam antes que você possa se decidir.
Se você se decidir, Saturno vai não apenas apoiar, como vai estruturar as coisas para que tudo aconteça, mas caso você não se decida, ele decidirá por você, e depois não adianta reclamar.
As pessoas têm medo das crises que Saturno traz. Por uma série de motivos (não quer enfrentar grandes desafios, não quer sair da zona de conforto, não se sente preparada para assumir maiores responsabilidades).
Ao invés de pensar numa desculpa para não gostar da situação, que tal mudar a sua visão sobre a situação?
Crises existem para que você cresça. Ninguém evolui sentado no sofá, e convenhamos, a gente só se levanta quando tem um desafio pela frente.
Saturno é o cara que vai te fazer literalmente levantar e correr atrás dos seus objetivos. Na verdade, já está fazendo. Caso você ainda esteja por aí paradão, vendo a vida acontecer lá fora, melhor se apressar.
Você pode usar a crise como desculpa para não se posicionar, não crescer, permanecer preso no ciclo antigo e deve estar preparado para assumir às conseqüências dessa escolha.
Ou, você pode usar a crise para criar um novo ciclo dentro das coisas que você deseja construir nesse momento.
E como você vai construir isso? Saturno tem seus companheiros para lhe ajudar.
Seu fiel escudeiro Júpiter estará em Libra até outubro, reformulando os acordos e as leis, tentando um maior senso de justiça dentro desses acordos. Isso também vale para os relacionamentos. Aqueles que trazem verdade serão fortalecidos com novas concepções para parcerias e sociedades. Agora para aqueles em que não há cooperação, a tendência é de rupturas radicais.
Já a partir de outubro, ele ingressa em Escorpião o que nos forçará a abandonar velhos comportamentos, desapegar para renascer mais evoluído. O autoconhecimento ganhará espaço e a espiritualidade mostrará bons caminhos a serem seguidos.
Para quem fizer a lição de casa, poderá começar a colher bons frutos de crescimento, expansão e prosperidade nas áreas em que estiver investindo.
Urano em Aries abre as portas para o novo, o inusitado, o original, tudo com força total para inovar e criar soluções para as “crises”. Ou seja, as soluções já existem.
Netuno permanece em Peixes durante todo o ano inspirando àqueles que buscam uma conexão maior com os conhecimentos ocultos, a espiritualidade, a percepção do inconsciente coletivo, principalmente para perceber as ilusões que criamos ao nosso redor para preencher um certo vazio interior.
E Plutão também segue sua jornada em Capricórnio derrubando velhos modelos, principalmente dos assuntos do signo (carreira, trabalho, grandes empresas e instituições, organização e responsabilidades).
A crise nos dignifica, nos encoraja, se a empreitada não tem o resultado esperado, ganhamos experiência e na pior das hipóteses, aprendemos o que não devemos fazer. Mas se o resultado foi o esperado, aí sim acrescentamos algo em nosso currículo, aperfeiçoamos uma habilidade e superamos um desafio, ficamos mais competentes. E isso, ninguém poderá nunca fazer em nosso lugar, nosso crescimento é nossa meta e somente nossa, mas quando crescemos todos ao nosso redor se beneficiam também.
E a vida prossegue, nos abençoando com novas crises, para que continuemos a nos superar e criar sempre uma melhor versão de nós mesmos, mais fortes, mais íntegros, mais conscientes de nosso papel dentro da humanidade.
Não crie desculpas, crie soluções!